CONSEP - Central das ONG´s, Serviços e Entidades Populares de MG


Minas Gerais, 4/7/2020, Sábado

Ir para o site da Belo Horizonte Terraplenagem e Demolições

 Portal | Fale Conosco | Voz do Povo | Receber Notícias | Anuncie Aqui | Segurança On-line | Veículos Furtados  
Leis e Códigos Completos | Programas Sociais | Dicas de Segurança | Serviços e Links |

CONSEP - Central das ONG´s, Serviços e Entidades Populares de MG

 
 Autoridades Públicas

 Batalhões da PMMG

 Companhias da PMMG

 CONSEP - Cadastro

 CONSEP - Estatuto

 CONSEP - O que é ?

 CONSEP - Objetivos

 CONSEP - Quem faz parte

 Delegacias da Polícia Civil

 Denúncias Anônimas

 Deputados Estaduais

 Dicas de Segurança

 Legislação

 Órgãos Públicos

 Ouvidoria de Policia do Estado de Minas Gerais

 Utilidades e Campanhas Públicas

 Vereadores de Belo Horizonte


 
Lista Fique Sabendo

 Lista Ações Para Melhorias

 Lista Boas Ideias

 Lista por Dentro das Leis


Ir para o site da Agência Brasil - Notícias do Governo Federal

Ver as últimas notícias do Governo Federal

Resultados das Loterias Federais - Em Aúdio - Ligue seu som



Opine ! Vote !
Nenhum dado pessoal seu será gravado
.

Você sabe da importância estratégica do CONSEP no seu bairro ou cidade?
Sei da importância, como funciona o CONSEP, já participei de reuniões dele.
Já ouvi falar sobre CONSEP, mas não sei bem o que é, nem o que faz ou pode fazer por nós.
Não sei o que é, nem o que possa fazer, nunca ouvi falar de sua existência.
Gostaria de saber o CONSEP pode realizar por nós, saber o que é, talvez até participar dele.
Não sei o que é o CONSEP, o que faz, acho que falta maior divulgação sobre isto.


Você acha que a Comunidade pode ajudar a resolver os problemas de Segurança Pública?

Não acredito.
Não, mas poderia vir a ajudar.
Sim, desde que houvesse uma maior divulgação.
Sim, desde que a comunidade também tivesse parte ativa nas decisões.
Sim, sem o apoio da comunidade nenhum problema social vai ser resolvido.


 

 

::Notícias Fique Sabendo::

Vote consciente : Porque Não ?

Porque não - Suprimir direitos não contribui para reduzir a violência
por Celso Luiz Limongi
A discussão sobre o desarmamento que toma conta do país dias antes do referendo imprimiu um aspecto positivo no inconsciente coletivo da sociedade brasileira ao jogar em suas mãos a decisão sobre o assunto, sem se limitar aos interesses de uma maioria parlamentar no Congresso Nacional, que sabe-se lá com base em que fundamentos é formada.
Seja qual for o resultado da votação do próximo domingo, a cidadania se reafirma soberana de suas vontades na saudável prática da legítima consulta popular. Cenas de democracia explícita como estas poderiam repetir-se no debate nacional de outros temas importantes para a vida brasileira.
Embora prevista pelo Estatuto do Desarmamento em dezembro de 2003, a escolha sobre a proibição ou não do comércio de armas e munições tem sido usada, do ponto de vista do marketing, como estratégia do governo federal que vê na campanha um conteúdo a ser explorado na presidencial do próximo ano, no caso de vitória do “sim”.
Se assim o for, qualquer redução do índice de homicídios acidentais daqui até lá, mais do que comemorada do ponto de vista humano, será utilizada na publicidade eleitoral da sucessão do presidente da República.
O referendo popular foi inserido no artigo 35 do Estatuto por pressão de pessoas e organizações defensoras da proibição do comércio, temerosas de que a decisão intramuros no poder Legislativo estaria mais permeável ao lobby da indústria armamentista.
O governo procura “apoderar-se” da iniciativa para mostrar ao país e à comunidade internacional mais um ponto de sua agenda humanitária ao lado do combate à fome. Com o festival de denúncias de corrupção que nos espantam há meses, o referendo se transformou também em ferramenta para desviar a atenção dos escândalos que já derrubaram dezenas de pessoas entre dirigentes de estatais e deputados ligados ao Executivo, seja por renúncia a cargos e mandatos ou demissão e risco de cassação.
Lobby por lobby, a vitória dos defensores do “sim” lá em 2003 pode revelar-se um tiro no pé. As pesquisas hoje mostram que a população, sem tirar o olho das notícias sobre a corrupção em Brasília, não quer abrir mão dos poucos direitos que lhe restam, como a legítima defesa de sua vida e de sua família.
Ao apoiar a campanha do “sim” o governo se revela um aliado incômodo, pois muitos poderão votar no “não” em protesto contra sua figura institucional, mais que por discordar de sua política de segurança pública, que também tem deixado muito a desejar.
Não é fácil para um magistrado manifestar-se sobre o direito ao porte de armas, já que o Poder Judiciário o tem garantido pela Constituição, assim como outras profissões. Mas justamente por ser juiz há 36 anos creio poder falar sobre direitos. E não me parece que suprimir mais um contribuirá para reduzir a violência no país. O preço da manutenção dos direitos do cidadão é a consciência da sua responsabilidade na hora de exercê-los.
Fonte : Consultor Jurídico, www.conjur.com.br , 20 de outubro de 2005
Sobre o autor : Celso Luiz Limongi: é desembargador do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo e presidente da APAMAGIS (Associação Paulista de Magistrados)

Acesse a lista de notícias clique aqui

CONSEP - Central das ONG´s, Serviços e Entidades Populares de MG

O Portal CONSEP não envia spams ou mensagens  não solicitadas. Se você receber alguma mensagem usando o nosso domínio, sem que tenha entrado em contato conosco, delete-a imediatamente, pois não fomos nós quem enviamos.
Copyright - CONSEP - Central das ONG´s, Serviços e Entidades Populares de MG
Portal   |   Home   |   Fale Conosco   |   Webmaster